Pianista brasileiro pede mais apoio do governo para revelar novos talentos no país

9:53
 
اشتراک گذاری
 

Manage episode 337742596 series 1467011
توسط France Médias Monde and RFI Brasil توسط Player FM و جامعه ما پیدا شده است - کپی رایت توسط ناشر، و نه متعلق به Player FM، و صدا به طور مستقیم از سرور های آنها پخش می شود.برای پیگیری به روز رسانی در Player FM دکمه اشتراک را بزنید، و یا فید URL را به دیگر برنامه های پادکست بچسبانید.
A primeira vez que subiu ao palco, o pianista brasileiro Pablo Rossi tinha apenas sete anos. Era o início de uma carreira virtuosa. Ele foi o mais jovem solista a tocar com a Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo (Osesp) e o mais novo a receber o prêmio Nelson Freire. Não por acaso, Pablo foi um dos seis pianistas convidados para se apresentarem no Festival La Roque d’Anthéron, no sul da França, um dos mais importantes do mundo, na homenagem ao pianista brasileiro morto em novembro de 2021. Por Vivian Oswald, correspondente da RFI em Londres Pablo conheceu Nelson Freire com apenas 12 anos. Desde então, encontraram-se muitas vezes. O grande mestre da música viu-se naquele jovem talento e o alertou sobre as glórias e as agruras de quem começa tão cedo uma carreira concorrida e que exige tanta dedicação. Eles se conheceram na casa de um amigo em comum em Curitiba, onde Pablo tinha aulas com a professora Olga Kiun, russa que se estabeleceu no Brasil no começo da década de 1990. Ali, Pablo tocou pela primeira vez para que Nelson o ouvisse. Foi um encontro especial, o começo de um contato que durou anos e ajudou o então jovem pianista a bater o martelo sobre a decisão de partir para Moscou, onde se formou no Conservatório Tchaikovsky. Desde que se conheceram, Pablo não perdeu uma oportunidade de tocar para Nelson, que, por sua vez, o escutava com atenção e tinha sempre uma palavra precisa para contribuir para seu aprimoramento. “Tive o privilégio de estar na plateia do seu último concerto no Carnegie Hall em Nova York, quando solou o grandioso concerto no. 2 de Brahms com a Orquestra Sinfônica do Teatro Marinsky. Como sempre foi uma performance memorável, ele estava no auge! Depois fomos jantar e ele, sempre muito espirituoso, adorava falar de cinema, que também era uma paixão dele. Os encontros com Nelson sempre eram muito agradáveis, porque ele transmitia sua erudição e conhecimento não de maneira catedrática, mas sempre muito descontraidamente, ele era um verdadeiro "pândego" fora dos palcos”, brinca. "Nelson, era um tipo raro de pianista, daquela "velha geração" dos grandes. Em que você precisava ser um artista completo, que tivesse conhecimento de teatro, literatura, cinema, artes em geral. O tocar piano ia muito além de acertar as notas com eficiência, era uma arte de transmitir algo único à plateia”, descreve Pablo. Mais Nelsons Freires Para o pianista, o Brasil precisa de mais Nelsons Freires. Para isso, defende que as instituições de ensino de ponta tenham apoio do governo. Mas destaca exemplos de sucesso, de professores que conseguiram criar um legado de formação pedagógica no país. Um deles é o pianista Eduardo Monteiro, da Universidade de São Paulo, que participou da homenagem a Nelson na França. Ele ainda cita a professora Olga Kiun, que já formou gerações de pianistas, hoje espalhados pelo mundo. “Festivais de música como este de La Roque d'Anthéron são instrumentos indispensáveis para a descoberta, formação e divulgação das novas gerações de pianistas e [outros] músicos. Eles têm apenas a possibilidade de trazer entretenimento e cultura para as plateias, mas também são essenciais para incentivar os jovens artistas. Iniciativas assim não nascem e crescem da noite para o dia, são gestadas por anos de contínuo serviço e trabalho de qualidade, com planejamento e estratégia, fruto da dedicação de gestores que acreditam no poder modificador da música e da arte. Que tenhamos mais Nelsons Freires, mas também Renés Martins [diretor artístico do festival de La Roque D’Anthéron], para que a nossa música e os nossos talentosos músicos possam continuar se desenvolvendo e levando o nome do nosso país e do nosso povo para o mundo!", defende Pablo. O pianista afirma que Nelson Freire se preocupava com o futuro da novas gerações de pianistas brasileiros. "Com o Nelson acabou uma era em que o artista se preocupava, antes de mais nada, com a essência da música. Ele não entendia as novas gerações que querem inventar personalidades, que não eram verdadeiras, que achavam que era preciso ser diferente, exótico. Essa é uma visão que está se perdendo hoje. Ele tinha isso da velha guarda, que ganhei em Moscou, de que você tem que se distanciar o máximo possível, não tem que atrapalhar. Ele representava um pianismo que não existe mais. Isso fica para as novas gerações de maneira implícita. Ele tocando era muito discreto, não fazia gestos desnecessários. Estava sempre muito envolvido com a música dele. E ele tinha essa preocupação, alertava para que a gente não se deixasse cair nessa armadilha”, afirma. Agenda Após três anos de pandemia, a agenda de Pablo está mais agitada do que nunca. Pouco antes do Festival de La Roque D’Anthéron, o pianista se apresentou em Londres, em um concerto em comemoração aos 200 anos da Independência do Brasil, organizado pela Embaixada do Brasil na capital britânica. Ele agora toca no Brasil com a Orquestra Experimental de Repertório (OER), no Teatro Municipal. De lá, volta a Londres para o recital de 30 anos do Key Board Trust. Ele ainda se apresenta em recital no Zagreb, na Croácia, e em Basileia, na Suíça, no festival de música "Stars in the Rheim”. Em outubro, o músico volta a Curitiba para um recital solo e outro com orquestra, e vai para São Paulo, onde toca no Teatro Hebraica com a Orquestra Sinfônica de Heliópolis, com o maestro Isaac Karabtchevesky. Em novembro, estará em Genebra para o concerto "Música pela Mudança", na ONU, quando se apresenta com convidados. O programa de Pablo no festival francês foi uma escolha conjunta com o diretor artístico, René Martin. "A ideia era ter uma performance curta, de 15 minutos, mas que pudesse transmitir nossa essência como músico. Eu, não à toa, escolhi Schubert, que é um compositor com o qual me identifico muito, em que o lirismo e a poesia estão encrustados nas notas musicais", destaca o pianista.

376 قسمت